4 coisas que fiz num ‘date’ comigo mesma – versão caseira

Posted on

Recentemente cheguei à conclusão de que é raro estar sozinha, completamente sozinha. Bem, sozinha sozinha nunca estou, porque tenho sempre os meus gatinhos. Podia fazer um retiro e isso faz parte da minha bucket list, mas enquanto não chega a altura certa, há coisas que gosto de fazer para aproveitar os raros momentos em que estou sozinha.

Na sexta-feira passada tive umas boas horas só para mim como não tinha há sei lá quanto tempo. E – oh – que bem me sabem esses momentos. Não fico triste por ficar sozinha em casa umas horas numa sexta-feira à noite; pelo contrário. Não quer dizer que prefira a solidão, mas como é rara consigo dar-lhe valor.

E quando apanho umas horas sozinha em casa, especialmente em dias de Inverno/início de Primavera, ainda algo frios e chuvosos, especialmente numa sexta-feira, gosto de fazer o seguinte.

Uber ou papá

 

Como trabalho longe de casa e demoro cerca de uma hora de transportes a chegar lá, numa sexta-feira dedicada a mim é isto que faço: chamar um Uber, Cabify, Taxify ou MyTaxi. Não importa, não sou fiel a nenhum. Aqui, o critério é mesmo o que tem o melhor desconto no momento e se tem carros disponíveis na zona à hora que eu saio. Chego a casa num instante (e por relativamente pouco dinheiro)!

Já agora, querem códigos de desconto? Vamos a isso! 😀

  • Uber – nu978 (vale 5€)
  • Cabify – catarinas10 (vale 6€)
  • MyTaxi – catarinasou (vale 10€)
  • Taxify – 9AXL8 (vale 7€)

Taking myself out in to dinner

 

Não, não vou a restaurantes fancy sozinha. Ou, pelo menos, não fui. Uber Eats all the way! Na minha zona até há bastante escolha e até já há O Prego da Peixaria. Com o Uber Eats, faço o pedido, vão levar-me a comida a casa – qualquer uma que eu queira – e pronto! Zero trabalho e 100% proveito.

Aquele banho cliché

 

Sabem aqueles banhos de imersão clichés dos filmes em que a protagonista surge imersa numa banheira cheia de espuma e fica lá a beber vinho e a ler um livro? Essa fui eu, menos o vinho e menos a espuma. Preferi uma grande bomba de banho da Lush. Estava à espera deste momento no meu armário há meses. Com a seca que vivemos no país, adiei este banho também durante meses, mas antes de ir para casa neste dia em que fiquei sozinha, pesquisei muito sobre a reversão da seca no país e várias fontes me disseram que o problema já não é a seca em si, mas o uso inconsciente da água. Da minha parte foi só desta vez, prometo. Não é algo que faça com frequência, mas adoro todos os segundos quando acontece.
De qualquer modo, vamos falar sobre ler livros no banho? O que há de mágico nos banhos de imersão que fazem com que saiba ainda melhor ler um livro? Será por não haver mais distracções em volta?

Uma série e um filme só para mim

Quando vivemos com outra pessoa com quem temos uma relação, tendemos a escolher filmes e séries em conjunto, para que ambos possamos apreciar algo ao mesmo tempo enquanto passamos tempo juntos. Tudo óptimo; lá em casa também fazemos isso. Mas há filmes e séries de que gosto e vejo sozinha, porque sei que não lhe vão interessar. Por exemplo, o género de terror faz as minhas delícias, mas não as dele. Então, quando me vi sozinha em casa, vi o novo Insidious (Insidious: The Last Key) – sim, sozinha! – e comecei a ver uma nova série – Requiem – no Netflix. Já agora, saibam que vou falar mais sobre ela em breve porque fiquei agarradíssima.

Resumindo…

Sou uma pessoa que precisa e que sente falta de um tempo sozinha. Acreditem, há muito tempo que não o tinha e nem sabia o quanto estava a precisar. Não porque as pessoas me incomodem, mas às vezes preciso de estar sozinha e pôr-me em primeiro lugar, sem me preocupar com mais nada nem ninguém, dando tempo e espaço para ouvir tudo aquilo em que penso, sem interrupções. Claro que, no final, prefiro mil vezes não viver nem estar sozinha a maioria do tempo, especialmente tendo ambas as experiências de vida para poder comparar.

No ‘fim do dia’, como se costuma dizer, adoro os meus momentos solitários de vez em quando, mas não trocava viver com ele por nada e, sinceramente, acho que nunca me habituaria a viver completamente sozinha; se fosse sem pessoas, ao menos que nunca seja sem (os meus) animais.

4 Comments

  1. Andreia Moita says:

    Antigamente não gostava nada de estar e fazer coisas sozinha. Mas isso mudou. Agora gosto, e muito! E em casa, então, é perfeito por isso percebo perfeitamente o que dizes e o que fizeste nesta sexta ?

    1. Catarina Alves de Sousa says:

      É tão bom, não é? 😀 Parece que ainda se dá mais valor às coisas que fazemos sozinhas. Ganham um sabor especial. 🙂

  2. RITA says:

    Que programa fantástico! Realmente, Às vezes o que precisamos mesmo é de um puro dia de pijama, livros, filmes e boa comida (hoje como é feriado, é exactamente o que eu vou fazer :P)

Leave a comment

Your email address will not be published.

CommentLuv badge