Arthur’s Seat (revisitado) e a próxima viagem

Posted on

Duas coisas fizeram com que fosse buscar estas fotos ao baú: a primeira é, claro, a procura de fotos para começar a encher as paredes da casa nova. A segunda tem a ver com o planeamento da próxima viagem, que já está marcada para Novembro.
Recentemente comecei a reparar mais em mim nas minhas fotos de viagens passadas. Acho-me sempre diferente (para melhor) nessas fotos, mas só consigo pensar que a diferença não é necessariamente física, embora se traduza no olhar.

As maravilhas subterrâneas das grutas de Alvados e de Santo António

Posted on

Ficou por falar desta parte incrível dos passeios de que vos falei no post de ontem. Isto porque achei que as grutas são tão lindas que mereciam um post só para elas. Se não viram o post de ontem, em resumo, quando fui a Minde com o meu namorado no fim de semana do nosso aniversário, quisemos ir visitar as grutas à volta, que ainda são bastantes. Fomos logo às maiores e mais conhecidas para começar; as Grutas de Mira de Aire. Porém, quando lá chegámos, deparámos-nos com uma fila gigante nas bilheteiras! Era Agosto, está certo, e são as mais conhecidas do país, mas decidimos logo que não valia a pena perder grande parte do dia ali à espera.
Então, passámos ao plano B, que é como quem diz, outras grutas mais pequenas e menos conhecidas ali perto.

Minde, o Retiro do Bosque e Dinossauros na Serra de Aire

Posted on

Se bem se lembram, eu e o meu namorado gostamos de celebrar o nosso aniversário com uma espadinha “cá dentro”, de forma a aproveitarmos para conhecer mais um bocadinho do nosso lindíssimo país. Aqui no blog, documentei em 2014 a nossa passagem por Belver, pelo Marvão e por Ammaia e, no ano passado, por Almourol, Ferreira do Zêzere e Tomar.

Este ano, o nosso aniversário calhou uma semana antes de mudarmos de casa, o que, logisticamente, não nos deu grande espaço de manobra (ou estado de espírito) para celebrações muito elaboradas. Durante muita tempo, nenhum de nós tinha ideias de onde ir ou o que fazer, mas então, num momento de especial iluminação, lembrei-me deste post maravilhoso da Sara e que me deixou a suspirar durante tanto tempo depois de o ler e ver.

O destino subitamente ficou claro: Minde.

Escócia: um túmulo de guerra e um túmulo pré-histórico

Posted on

Como revelei como quem não quer a coisa neste post, estou a planear uma nova viagem para breve e, como não podia deixar de ser, ando toda wanderlust a ver coisas bonitas para visitar nessa próxima viagem, enquanto revisito também os álbuns de fotografias da anterior. Falo da viagem à Escócia, claro, que entretanto não houve mais nenhuma para fora do país. Sinceramente, estava a achar difícil haver outra ainda este ano, por causa da casa nova e tudo, mas os astros alinharam-se, I guess. 🙂

Mas voltando às fotos da Escócia que voltei a passar a pente fino como se as estivesse a ver pela primeira vez, bem, eu apercebi-me de que não falei de

As Aldeias do Xisto, a Casa do Quelho e Janeiro de Cima

Posted on

Esta nossa viagem à descoberta da Beira Baixa remonta a Abril, mas até agora só vos tinha falado (e mostrado) a parte das paisagens bonitas e do trekking, mas nunca vos mostrei onde ficámos. E oh, se vale a pena ver! A não ser que não achem piadinha nenhuma às lindas e tipicamente portuguesas aldeias do xisto (whaaat??).

Em Portugal, existem quatro regiões principais de aldeias do xisto: Serra da Lousã (12 aldeias), Serra do Açor (5), Zêzere (6) e Tejo-Ocreza (4). A aldeia de Janeiro de Cima, onde fiquei alojada neste fim de semana à descoberta de mais um bocadinho de Portugal, situa-se no Zêzere.

Sobre a última visita ao Oceanário e os meus medos

Posted on

É normal quem me segue no Instagram ter informação Instagram ter acesso em primeira mão às minhas shenanigans, por isso se é o vosso caso (e se leram este post), já sabem que escolhi passar parte do meu dia de aniversário no Oceanário.
Desde miúda que sinto um fascínio enorme pelo mar e pela fauna aquática. Lembro-me perfeitamente de ter uns quatro ou cinco volumes de livros enormes e cheios de imagens de todos os grupos de animais do planeta Terra e do volume dos seres aquáticos ser o meu favorito de todos, sem qualquer margem de dúvida.

E eis então que chegou o momento de relembrá-los, desta vez ao vivo no Oceanário de Lisboa.

Próximas viagens: a minha bucket list

Posted on

Quem não gosta de viajar? E, mesmo quando tal não é possível, quem não gosto de sonhar acordado com as próximas viagens que gostaria de fazer? É precisamente o que tenho vindo a fazer, especialmente porque não sei se vou arranjar tempo para viajar este ano.

A verdade é que a viagem à Escócia foi a minha última. Como já poderão ter visto por aqui, estou prestes a

Visita ao Lisb’On Hostel, o palco do Bloggers Camp 2016

Posted on

É arrepiante a velocidade com que o tempo passa. Ainda ontem estava a preparar tudo para o primeiro Bloggers Camp e agora já estamos a escassas semanas da segunda edição.
Apesar da organização de um evento assim dar imenso trabalho e necessitar de várias horas do nosso tempo, a verdade é que ter uma equipa de três (eu, a Ana e a Catarina) é essencial para dividir tarefas e garantir que todos os assuntos relacionados com o evento ficam cobertos, desde as coisas mais básicas e importantes como a escolha e marcação do local, passando pela escolha e contacto dos

O Bastardo: restaurante ou galeria de arte?

Posted on

Não sei quanto a vocês, mas eu quando vou almoçar ou jantar fora, vou não só pela comodidade de não ter que fazer a comida em casa, mas também (e principalmente) para conhecer novos pratos e novos restaurantes. Em “conhecer novos restaurantes” refiro-me também à beleza dos espaços, que é algo que – para mim – ajuda a tornar uma experiência de restauração inesquecível.
Pelo título deste post (e pela cara da Ana na foto de destaque), já deu para perceber que O Bastardo cumpriu esta função na perfeição, certo? 😀

Aventura de trekking pelos trilhos da Beira Baixa

Posted on

No mês passado tive um fim de semana diferente do habitual e completamente dedicado a conhecer melhor a zona da Beira Baixa. Por vezes, é fácil esquecermos-nos de que Portugal, por pequenino que seja em tamanho, oferece-nos uma imensidão e variedade de paisagens naturais lindíssimas.

Temos planícies verdes banhadas pelo sol e onde prosperam oliveiras, temos vales verdejantes cortados a meio por rios, temos