O meu writer’s block e o meu ebook de short stories (download grátis)

Posted on

Não sei se todas as pessoas funcionam mais ou menos assim (tenho para mim que não), mas quando eu me sinto bloqueada relativamente a alguma coisa, ajuda-me falar sobre ela. Guardar as coisas só para mim à espera que ninguém repare tem precisamente o efeito contrário àquele que esperava: só piora o problema.
Não, não tenho nenhum problema com drogas ou álcool ou alguma condição do foro psicológico (acho eu?…), mas sim um clássico writer’s block. Não aqui no blog, mas no CPR – A Reanimação da Escrita. Coincidentemente ou não, não consigo escrever ficção desde que

6 perguntas que gostaria de fazer aos meus escritores favoritos

Posted on

No meu último de dia de férias, acabei coincidentemente de ler o livro que tinha levado para ler na praia. Li mais um livro da Juliet Marillier, uma das minhas escritoras favoritas e – também – do meu género literário favorito: o Fantástico.

Como sabem (e se me acompanham no CPR – A Reanimação da Escrita ainda melhor saberão), adoro escrever e sempre quis escrever um livro, por isso – recentemente – comecei a imaginar no que perguntaria à Juliet Marillier sobre o seu processo de escrita caso tivesse a oportunidade de a questionar sobre isso.
Então, as minhas perguntas para ela (e para os meus outros escritores favoritos) seriam:

Vamos voltar a escrever? O CPR – A Reanimação da Escrita reabre hoje

Posted on

No ano passado – mais concretamente em Outubro – falei-vos de um novo projecto meu (que criei juntamente com a minha amiga Joana) chamado CPR – A Reanimação da Escrita. Lembram-se? (se não, vejam aqui)

Inicialmente, tínhamos pensado em fazer do CPR um grupo de escrita em que haveria um tema semanal (sempre diferente), que teria um número fixo de participantes (cerca de 15) e que teria uma data para terminar: 31 de Dezembro.

Contudo, depois de alguns meses de CPR, concluímos que:

3º texto para o CPR: Yukio no noroi (幸雄の呪い – A Maldição de Yukio)

Posted on

Como já vem sendo habitual, venho partilhar convosco o meu texto para o CPR – A Reanimação da Escrita desta semana. Desta vez, o tema era – apropriadamente – “Terror”. E que melhor dia para partilhar a minha primeiríssima short-story de terror do que este? 😀

Espero que gostem deste meu texto que começou por ser arrancado a ferros e avançou à velocidade da luz, assim que a inspiração se apoderou das minhas mãos e das minhas palavras.
É a coisa mais assustadora que alguma vez escrevi! Vamos a isso então. 🙂

“Bela é a Noite” – o segundo texto para o CPR

Posted on

Como vos contei na semana passada, criei o CPR – A Reanimação da Escrita com a minha amiga Joana para termos “desculpas” para escrever semanalmente, para nos irmos desafiando em termos de escrita e para evoluirmos a nossa capacidade criativa aplicada à mesma.
E se, na semana passada, houve um tema (ver aqui), esta semana o tema era livre, mas existia um desafio: escrever noutra época:

“Primeiro passo” – o meu primeiro texto para o CPR

Posted on

Penso nos locais da cidade que mais me encantam e que provavelmente escolheria para o reencontro, se ela concordasse. Penso no chá que escolheria e por onde começaria a reconstruir a ponte entre nós.

É a minha passagem favorita do primeiro texto que escrevi para o CPR – A Reanimação da Escrita, o grupo de escrita que formei com a minha amiga Joana e do qual vos falei aqui.

O tema desta semana era a frase “What are you waiting for? An invitation?”, conforme aparece nesta foto que a Joana tirou em Berlim.

Já estava com saudades de ter desculpas para

CPR: grupo e encontros de escrita em Lisboa (vamos?)

Posted on

Se bem se lembram, falei-vos deste grupo de escrita em Julho e, nessa altura, várias pessoas me vieram perguntar se haveria algum em Lisboa. Na altura, não estava planeado haver e entretanto saí do grupo por várias razões, mas fiquei a sentir falta do exercício semanal de escrever sem ser para o blog ou para o trabalho. Estava mesmo a gostar de escrever semanalmente sobre algo diferente com a disciplina de alguém que faz parte de um grupo e que não dá satisfações apenas a si própria e se entrega ao desmazelo da escrita pouco tempo depois.

Foi por isso que, quando a minha amiga Joana me perguntou se queria organizar

Escrita #2: Dores de crescimento

Posted on

Ainda não sei se vou fazer disto um hábito, “isto” referindo-me à partilha dos textos que escrevo para o Escritadoria aqui no blog, mas por enquanto e enquanto me sentir bem ao fazê-lo, assim continuarei. 🙂
Quem segue a página de Facebook do Escritadoria já viu, mas para o restantes, o tema desta semana é…. dun dun dun DUNNNN: Medos.

Shall we? 🙂

Escrita #1: O poeta lá do bairro

Posted on

Na semana passada falei-vos dos encontros da escrita em que irei participar à distância, uma vez que tem lugar no Porto. Em resumo, todas as semanas há um tema diferente a ser explorada pelo autor da forma que lhe aprouver.
O tema desta semana consistia em explorar um traço de personalidade do autor, algo que lhe é característico. Encarei isto como uma forma de apresentação e aproveitei precisamente um “defeito” meu que resulta constantemente em histórias engraçadas. Esta passou-se há pouco mais de 11 anos e é uma das mais conhecidas no meu círculo de amigos. Espero que gostem (quem tiver paciência para ler :P).

Weekly writing challenges (are you coming?)

Posted on

É triste, mas nem me lembro da última vez em que escrevi por escrever. Por gostar, por querer. E antes fazia-o tantas vezes. Caramba, tenho vários cadernos cheios de histórias (ficcionais e não ficcionais)…

(Ou se calhar até me lembro, tendo em conta que não publico aqui há mais de um ano).

Mas a vida torna-se mais exigente e tira-nos tempo, paciência e obriga-nos a dar prioridade a tarefas que têm finalidades mais imediatas: responder a emails, fazer alguns trabalhinhos fora do trabalhinho normal, falar com o banco porque não-sei-o-quê, preparar artigos para o blog, tirar fotos a este produto ou àquele, etc.

Facilmente se perde a essência, mas também facilmente se recupera. Facilmente,