mejores doctores en América Dapoxetina elección de plan de seguro médico
15 In dieta Lev/ healthy living/ personal

Hoje despedi a minha nutricionista

Ok, não foi hoje, mas o título ficava melhor e assim aproveito para ir mais na onda deste post – Hoje despedi a minha empregada. Neste caso, não só não foi hoje como foi quase há um mês. Lembram-se que eu andava a fazer esta dieta, certo? Entretanto já dei algumas pistas em posts mais recentes que revelavam que deixei a dieta, mas fiquei de vos contar porquê. Este post serve precisamente para isso.

Antes de mais, começo este post para reafirmar que sempre fui 100% verdadeira nas minhas opiniões neste blog e isso não mudou quando vos falava da dieta, mesmo esta resultando de uma parceria. Aliás, eu fui bem honesta quando vos falei das vantagens e desvantagens desta dieta específica, mas algumas coisas ficaram por contar.

Essas coisas que não vos contei não tinham nada a ver com a dieta em si, mas com o acompanhamento. Na dieta L somos acompanhados por um nutricionista (será mesmo?) que, de 10 em 10 dias, nos pesa e mede e decide quando passamos de fase na dieta (são quatro fases).

Quanto à minha nutricionista, a que me acompanhava desde o início, eu já tinha compreendido que a nossa relação não era a melhor ou a mais saudável, mas achei que aguentava sem problemas, até que…

5 Sinais de alarme que não deves ignorar em relação a um nutricionista

Estes sinais de alarme que vou descrever abaixo resultam desta minha experiência, que vou continuar a narrar abaixo com a ajuda destes tópicos que criei e que te podem ajudar a perceber se te encontras também numa situação parecida.

As consultas são incrivelmente curtas

Estamos a falar de cinco, na loucura, dez minutos. É pesar, medir e ‘tá a andar. Até daqui a dez dias!

Ela não celebra as tuas vitórias e – pior – desvaloriza tudo

Com a dieta L, eu perdi 7 kg. num mês. Eu fiquei feliz da vida; a minha roupa estava mais larga, outras peças voltaram a servir, umas serviram pela primeira vez, sentia-me mais leve, feliz e com energia. Mas isso não importa. Eu era uma enorme desilusão para ela porque não perdi 15 kg. no primeiro mês, como eles gostam de anunciar que a dieta L faz.

Mas sabem uma coisa? Eu não queria perder 15 kg. num mês! Passo bem sem mudanças físicas repentinas e – mais importante – sem novas estrias, obrigada.

Porém, consulta, após consulta, após consulta, ela deixava bem claro e estampado no rosto um misto de desilução e frustração por eu não perder mais nem mais rápido. Chegou a sugerir que eu tinha um problema metabólico qualquer, o que eu tive que garantir que não, porque já tinha feito análises e exames (até recentemente) e nunca houve qualquer indício de algo assim. Simplesmente sou assim; não perco peso de forma super rápida, faz parte.
Ela, claro, aproveitou para expressar a sua falsa preocupação sobre como será a minha vida e o meu corpo se eu – deus nos livre – engravidar e, mais tarde, entrar na menopausa, receitas para o apocalipse segundo esta “nutricionista”.

Viver, no geral, é uma receita para o desastre segundo ela. Isso e mascar pastilha elástica, uma grande suspeita que ela tinha para o que me estava a impedir de perder peso mais depressa. Sim, eu fui proibida de mascar chiclets que não fossem de menta, sem qualquer explicação sobre o porquê de tal coisa poder estar a afectar o processo de perda de peso.

Ela não mostra interesse no teu bem-estar psicológico

Nada. Zero. Ela nunca perguntava como eu me sentia, se me estava a custar alguma coisa na dieta, se sentia fome, vontade de comer algo, nada. Também naqueles 5-10 minutos não dá para fazer muita coisa…

Ela (só) tem motivações comerciais

Mais para o final, ou seja, no final do mês passado, comecei a perceber e a convencer-me de que o desespero dela em que eu perdesse muito peso o mais rapidamente possível, era motivado por questões comerciais. Como se tratava de uma parceria, ela queria que eu obtivesse os “melhores resultados” para que eles pudessem fazer de mim exemplo e, assim, ter mais clientes em busca dos mesmos resultados. Pena que tivéssemos uma noção diferente de “melhores resultados”.

Ela faz chantagem contigo

Isto eu realmente nunca vi acontecer com mais ninguém, só comigo, por isso é normal se ninguém se identificar com esta parte. E ainda bem, espero mesmo que não. Basicamente, a chantagem que ela fez comigo foi na onda do “ou perde peso mais depressa, ou eles podem querer terminar a parceria. Não é por mim, é por si”. Sim, ela disse mesmo isto. Passo a explicar melhor.

A gota de água

Ora, a gota de água deu-se, lá está, no final do mês passado quando fui a uma das consultas normais após o São João do Porto, que calhou num fim de semana. Nem estava à espera de ter perdido peso nenhum, mas perdi, embora não muito. Constatamos também que tinha perdido volume, o que me deixou super feliz. Então, eu confessei que tinha bebido dois copos de vinho na noite de São João.

= abri as portas do inferno

Como é que acham que ela reagiu a isto?

a) não faz mal beber um copo de vez em quando;
b) era uma ocasião especial, desde que não faça disso um hábito;
c) se não for cumpridora, não faz sentido mantermos a parceria.

Como já devem saber, foi a c.

Caiu-me tudo. Passei-me.

Como assim cumpridora? Estou a fazer esta dieta há DOIS MESES sem qualquer vida social, sem poder ir comer fora com amigos, namorados e família, a beber chá quando – por milagre – vou a um bar ou, na loucura, uma coca-cola zero?! Só podia estar a gozar comigo.

Não sei se sabem como é que a Dieta L funciona, mas durante muito tempo só podemos consumir vegetais e as comidas deles, snacks e tudo. Toda a comida que conhecemos no “mundo real” deixa de existir. No meu caso, tinha deixado de existir há dois meses e eu estava farta. Tendo em conta a forma como a nutricionista me tratou naquele dia, soube que tinha que parar com isto.

Queria voltar a ter vida social, queria voltar a viver um bocadinho, a ter uma boa relação com a comida. Eu sei que ir jantar fora não tem que significar comer mal; há sempre opções mais saudáveis.

Para além disso, estando tão próxima do meu aniversário e de outras datas meritórias de celebração – como o lançamento do meu livro – começava a ficar com alguma ansiedade quando pensava que teria que explicar – mais uma vez – aos meus amigos o porquê de não poder ir a lado nenhum celebrar com eles, o porquê de não comer nem beber nada “normal”.

Estava farta de levar a mala cheia de comida da dieta L sempre que ia ao Porto passar o fim de semana com a minha família, estava farta de me sentir ansiosa face à sugestão de alguém em irmos jantar fora, estava farta de perder eventos e de não poder comer naqueles a que ia. Farta de levar a porcaria dos snacks para todo o lado!

Para mim chegava.

Quando ela me disse que “eles podem querer acabar a parceria” eu pensei instintivamente “não, eu é que quero acabar esta parceria!”, que foi a primeira coisa que fiz quando saí daquela consulta e tive acesso a um computador. A partir daquele momento, decidi conhecer melhor o meu corpo e forjar uma relação mais saudável e significativa com a comida. E isso, por vezes, significa mesmo beber um copo de vinho para celebrar, significa saber quando devemos não obcecar com a comida e comer algo que nos apeteça. Isso é saudável.

Um conselho aos nutricionistas

Não sei se algum nutricionista me está a ler agora, mas caso esteja gostava que fizessem o seguinte:

  1. respeitassem o ritmo dos pacientes e não lhes dessem na cabeça quando fossem cumpridores do plano que lhes passaram –> no meu caso, eu NUNCA deixei de perder peso e volume, mas levava na cabeça na mesma por não ser mais rápida a perder;
  2. não culpem os vossos pacientes por fazerem retenção de água, especialmente quando lhes está para vir o período. Sabem que não fazemos de propósito, não sabem?
  3. quando perguntam se as pessoas têm doenças na família, experimentem perguntar se, para além das doenças físicas, têm ou tiveram algum distúrbio alimentar. Acho que isto devia ser obrigatório numa primeira consulta de nutrição. Há certas atitudes num nutricionista que podem despoletar antigos comportamentos compulsivos que o paciente achava já estarem resolvidos.

Por que razão não somos questionados acerca de distúrbios alimentadores, mas apenas sobre doenças cardiovasculares e afins?

Para mim não faz qualquer sentido.

Saí da dieta L… e agora?

Agora… sou muito mais feliz. Ainda não vos disse, mas tinha tantas saudades de comida fresca, de fruta, de coisas normais e naturais. Tinha saudades de comer bem, de forma saudável, mas sem “nóias”, como diz a Vânia… e agora posso fazer isso. Já fui a uma primeira consulta com uma nutricionista do meu novo ginásio e já marquei outra. Não vou deixar de ser seguida do nada, não pensem; quero apenas não viver com a pressão e antipatia a que era sujeita antes; quero voltar a fazer exercício (que já voltei), que a outra desaconselhava não fosse eu ganhar músculo e pesar mais.

Antes de me despedir (que este post já vai longo) quero apenas dizer que continuo feliz com os resultados da dieta L. A única coisa que mudou foi o facto de ter aberto os olhos em relação ao péssimo acompanhamento que estava a ter. Ainda perdi mais uns kg depois de ter saído da dieta L, mas ao meu ritmo que sim, é lento, mas é constante, ao contrário dos disparates que fiz no passado. Toda a gente sabe que quando se perde peso de forma consistente, as hipóteses de o manter são mais elevadas, não? 🙂

No fundo, o que eu quero com este post é que aprendam também a ouvir os sinais de alarme que o vosso corpo e a vossa mente vos enviam sempre que se deparam com situações desconfortáveis. No meu caso foi a nutricionista, mas podia ser com outra coisa ou pessoa qualquer.

Por estes lados, 2017 tem sido o ano de ouvir os meus instintos. E, com ele, já lá vão uma empregada e – agora – uma nutricionista.

Para a semana vou de férias, algo que me estava a criar alguma ansiedade só de pensar em ir carregada de comidas e snacks que só eu ia comer, e – guess what – vou comer muita fruta! Sim, comer fruta esta proibido na dieta L.

Nunca soube que a liberdade podia saber a melancia e a morangos, mas – no meu caso – sabe. E sabe tão bem.

You Might Also Like

15 Comments

  • Reply
    Joana Sousa
    20/07/2017 at 11:46 AM

    Damn…eu tinha percebido que tinhas mudado de dieta mas confesso que não percebi que tinhas mesmo saltado fora – e assim percebe-se muito bem porquê. Pôr a tua saúde física e mental em causa por causa disto nunca poderia ser uma opção, fizeste muito bem.

    É assustador perceber que alguém que sabe ter responsabilidade na nossa saúde põe objectivos comerciais à frente disso e do nosso bem estar. Eu sei que acontece, mas continua a chocar-me. E nisto da alimentação, as “nóias” são do pior que há – quantas pessoas não acabam mentalmente afectadas com isso? Por isso, acho que o melhor que fizeste foi mesmo falar disto. Porque se aplica não só a esta dieta em específico, mas a tantas outras!
    Joana Sousa recently posted…Personal + Blog | Dois anos de Jiji!My Profile

  • Reply
    Sara Trigo
    20/07/2017 at 12:04 PM

    Uma nutricionista que defende que o que importa é o número descer na balança, independentemente de ser massa gorda ou muscular, não sabe de todo o que faz. Emagrecer não é perder peso. Emagrecer é tirar massa gorda. É uma pessoa tornar-se mais saudável. E o exercício ajuda imenso, o que toda a gente já sabe.
    Sinceramente, o resto pode ser devido a uma má personalidade, mas esse sinal para mim é ridículo!
    Fizeste muito bem em deixar essa dieta. Aliás, tudo o que restrinja a tua vida a “só podes comer coisas da marca X” vai levar-te à paranoia.

  • Reply
    Vânia
    20/07/2017 at 12:48 PM

    Não dá para viver em dieta, ninguém consegue. Dá. sim, para aprender a comer, por evitarmos certos alimentos e torná-los excepções, e por fazermos uma alimentação muito, muito variada, em que a carne e o peixe não ocupam a maioria do prato. Dá para percebermos que o nosso corpo é só um e que aquilo que comemos pode ajudar-nos a ficar por cá mais anos, e com mais saúde. E por procurarmos aliar uma alimentação o mais natural possível a uma vida ativa, nomeadamente pela prática de exercício físico. Acredito mesmo nisso e só vejo à minha volta pessoas com dietas falhadas que resultam em perdas repentinas de peso, com recaídas brutais e novos ganhos de peso. Isso porque houve uma dieta, e não uma mudança de estilo de vida.

    • Reply
      Catarina Alves de Sousa
      20/07/2017 at 12:51 PM

      Eu entendo, Vânia, mas não é isso que está em questão. Eu já tinha aprendido há muito a comer, não está em discussão a dieta. Aliás, eu acredito que o termo “fazer dieta” pressupõe algo muito efémero, quando deve existir um compromisso a longo prazo com a alimentação saudável. Aqui o que está em causa mesmo é a atitude de uma profissional de nutrição, que foi o que me chocou.

  • Reply
    Raquel
    20/07/2017 at 1:01 PM

    Cat fizeste muito bem em contar a tua experiência aqui. Essa “nutricionista” devia ter vergonha. E espero que agora estejas a ser bem acompanhada e te sintas feliz!

    • Reply
      Catarina Alves de Sousa
      20/07/2017 at 2:18 PM

      Obrigada, minha querida. Estou muito feliz agora! Há que haver equilíbrio na vida, não é verdade? 🙂

  • Reply
    Sofia Marques
    20/07/2017 at 2:19 PM

    Aprender a comer melhor é muito importante e isso sim faz diferença, não as dietas “malucas”. Um bom nutricionista sabe bem disso 😛

  • Reply
    Sofia Costa Lima
    20/07/2017 at 3:59 PM

    What. The. F***.

    Fui acompanhada por um nutricionista durante dois anos (de Junho de 2009 a Junho de 2011), no Centro de Saúde da minha terra, e falo sempre muito bem da experiência porque senti que era realmente acompanhada. Aliás, o nutricionista celebrava sempre que eu perdia alguma coisa, nem que fosse 1cm ou meio quilo. E acho que isso é importante quando estamos num caso de reeducação alimentar. Numa altura lembro-me de ter engordado e nem nessa altura ele me tratou como a “nutricionista” que relatas. Não conheço pessoas que tenham feito essa dieta, mas não sou nada fã de dietas restritivas e nas quais só podes comer coisas da marca. E acho de doidos a atitude de quem te acompanhou. Nem que só perdesses um grama de peso, a nutricionista tinha de te apoiar e incentivar. Cada corpo é um corpo e é mais do que óbvio que nem toda a gente perde 15 kg num mês (nem sei até que ponto isso é realmente bom). Fizeste muito bem em expor o caso! E mantém o teu ritmo. Podes não perder rapidamente, mas de certeza que será mais fácil manteres o peso quando chegares a um peso saudável. 🙂
    Sofia Costa Lima recently posted…PORTO: DA RIBEIRA A GAIAMy Profile

    • Reply
      Catarina Alves de Sousa
      20/07/2017 at 4:08 PM

      Bom saber que o nutricionista do centro de saúde que te acompanhou foi tão bom para ti, Sofia. 🙂 Espero que vir a ter uma boa experiência para relatar em breve também. 🙂
      E sim, o reforço positivo é super importante, seja naquilo que for! No trabalho, na escola, não interessa. Quando é merecido, é mais que bem-vindo.
      Eu estou super feliz e saudável e a partir daqui só vou melhorar porque estou a cultivar uma relação ainda mais saudável com a comida. De facto, essa dieta é boa para perder peso rapidamente, mas com profissionais destes, já percebo porque é que tanta gente ganha os kgs de volta, porque não os ensinam a ter uma boca relação com a comida.

      Acho que são atitudes destas que perpetuam o mito de que para perder peso é preciso deixar de viver. É totalmente mentira!
      Enfim. 🙂

  • Reply
    RITA
    20/07/2017 at 6:17 PM

    Minha querida Catarina, fico muito triste por teres tido uma experiência tão má :/
    Andei numa nutricionista durante 1 ano e tive tudo aquilo que não tiveste: um plano organizado, comida natural, vários alimentos a comer, muito poucas privações, apoio emocional contínuo.
    Quando estava a ler a tua história, senti logo que a nutricionista não era profissional, mas sim comercial: tenho a certeza de que ela ficava descontente com os teus resultados porque se perdesses mais peso, ela ganhava mais comissão – só pode ser isso. Nunca na vida uma nutricionista profissional te iria dar na cabeça por já teres perdido 7kg num mês (surreal, o máximo devia ser 3kg por mês) e teres bebido dois copos de vinho em dia de festa. De certeza que era uma pessoa que estava sob imensa pressão e que descarregou em ti. Contudo, não é desculpa para se comportar como se comportou.

    De facto, não acredito muito na abordagem restritiva dos planos de nutrição, como os da LEV, mas seguia atentamente o teu registo para saber se iria correr bem. Não queria que tivesse corrido mal, mas acho que provou que deveremos SEMPRE ser seguidas PESSOALMENTE por uma profissional que te receite COMIDA NATURAL e não comida pré-feita ou suplementos.

    Por acaso, também estou a ser acompanhada pela nutricionista do ginásio (numa base apenas trimestral) e gostei do seu profissionalismo. E com estas questões das nutricionistas apenas digo que se queremos realmente perder peso, mais vale investir numa nutricionista PROFISSIONAL E SINGULAR, e que não dê consultas noutras empresas. Ter uma clínica ou negócio próprio é a melhor forma de garantirmos que o seu feedback é bom!

    Espero que corra tudo bem nesta nova jornada e é nos erros que aprendemos mais 😉
    RITA recently posted…5 coisas para fazer no Verão sem usar o telemóvelMy Profile

  • Reply
    Analog girl
    20/07/2017 at 7:28 PM

    Sabes, andava a abster-me de comentar porque confesso que não sou nada fã dessa dieta em questão. Já a fiz há muitos anos e pouco perdi. Na altura, ainda não era o monstro comercial que é agora, e como estava a pagar bem, eles não estavam muito preocupados se eu realmente perdia muito e depressa ou se fazia exercício físico ou não. A nutricionista que me acompanhava até era simpática mas aquela ideia idílica de ter a comida definida rapidamente perdeu a piada e eu não me sentia com energia nem equilibrada. Tinha saudades de fruta e de me mexer, e com os resultados a tardarem custava-me horrores.
    Mais tarde percebi que só mantendo uma relação saudável com a comida e com o exercício é que funciona. Confesso que ando a precisar de encontrar novamente o equilíbrio, e no pós parto terei de me focar mais (isto da gravidez desorientou-me), mas não é algo que me assusta ou preocupa porque sei que com a comida “certa” e os comportamentos correctos o equilíbrio conquista-se novamente. Acho que é mesmo uma questão de encontrar o que funciona para ti.
    Espero que esta nova fase corra muito melhor, com o acompanhamento certo. 🙂

  • Reply
    Inês Matos
    20/07/2017 at 8:48 PM

    Eu nem quero acreditar que algo deste género possa acontecer. Acho que tomaste a decisão certa em terminar com essa relação. É evidente que uma nutricionista deve manter uma relação de proximidade e confiança com os seus utentes e celebrar as vitórias com eles.
    Inês Matos recently posted…1984My Profile

  • Reply
    Helena Pereira
    28/07/2017 at 2:34 PM

    Meu Deus, estou parva! Nem sei como conseguiste aguentar! São pessoas assim que estragam coisas que podem ser boas e benéficas e queria tanto que perdesses os ditos 15kg por níveis comerciais, que acabou a fazer com que quisesses desistir. Que pessoa, a sério.
    E proibir desporto? Whaaaat? Eu não sou muito fan de exercício, mas uma nutricionista dizer para não fazer é nova!
    Helena Pereira recently posted…Leonardo da Vinci – As Invenções do GénioMy Profile

  • Reply
    Daniela Oliveira Soares
    01/08/2017 at 3:16 PM

    Definitivamente ela era tudo menos boa profissional!

    Another Lovely Blog!, http://letrad.blogspot.pt/

  • Reply
    Claudia Rodrigues
    12/10/2017 at 3:48 PM

    Essa nutricionista, de fato, deixa muito a desejar, mas relativamente à dieta LEV, eu só tenho a dizer bem. Estou a ser acompanhada pelo Dr. Sérgio na LEV do centro do Porto e em 3 meses e meio consegui perder 20kg (essencialmente compostos de massa gorda). Entrei agora na fase 4 de manutenção, apenas com uma refeição LEV por dia, que na próxima consulta deverá também ser retirada, passando a dieta a consistir apenas de comida “normal”. No primeiro mês perdi 9kg e foi-me dito que estava acima da média (8kg), por isso se perdeste 7Kg, não estavas assim tão longe do que seria esperado! Pelo que me foi explicado, o exercício físico não é permitido nas primeiras duas fases para evitar a perda de massa magra, uma vez que as calorias ingeridas são muito diminutas. Obviamente que a dieta, na sua fase inicial, não é comportável a longo prazo, mas a obtenção de resultados rápidos é muito motivante. Agora vem o mais difícil.. manter o peso, implica a adoção de um novo estilo de vida e espero poder contar com o Dr. Sérgio para isso, uma vez que posso manter as consultas gratuitas por 2 anos. vamos ver se a simpatia e disponibilidade são as mesmas, agora que não deixo lá balúrdios de dinheiro em produtos.. sim, porque o grande problema desta dieta, nem é o aspeto anti-social das primeiras fases, mas sim o custo da mesma.

  • Leave a Reply

    CommentLuv badge