Suíça: uma vila encantada chamada Lauterbrunnen

Posted on

Estão a ver aqueles vídeos bonitos que circulam no Facebook e em que figuram paisagens idílicas que até nos fazem duvidar de que são verdadeiras? Antes da minha viagem à Suíça já me tinha cruzado com um vídeo lindo de Lauterbrunnen e fiquei naquela do “tenho que ver pessoalmente, porque não acredito que seja mesmo assim”. E será que era?

Como já vos disse, ficámos alojados num bonito Bed & Breakfast em Interlaken, um ponto de partida maravilhoso para visitar os Alpes Suíços. Lauterbrunnen já estava na nossa lista desde que começámos a planear a viagem à Suíça, por isso ainda conseguimos encaixar esta visita no dia em que fomos a Thun.
De Interlaken a Lauterbrunnen são apenas uns vinte minutos de comboio e, como tínhamos o Swiss Travel Pass, não pagámos essa viagem.

A caminho de Lauterbrunnen a partir de Interlaken

O caminho de comboio até Lauterbrunnen é simplesmente lindíssimo. Lembram-se de dizer que a água na Suíça tem outra tonalidade? É mesmo verdade e aqui confirmei-o novamente. Tudo o que é água natural – nascentes, riachos, rios, lagos – tem uma cor azul-esverdeada-clara lindíssima. Não conseguia tirar os meus olhos da beleza da água que, afinal de contas, é o meu elemento.

Chegados a Lauterbrunnen demos logo de caras com aquilo que vimos no vídeo bonito do Facebook que tínhamos visto há tantos meses atrás: cascatas magníficas a brotar do topo de montanhas. Na altura do ano em que lá fomos só vimos umas duas ou três, mas o vale de Lauterbrunnen tem cerca de 72 cascatas.

Setenta-e-duas-cascatas. Conseguem imaginar?

Imaginem um vale lindo, verde, cheio de casinhas amorosas tipicamente Suíças, rodeadas por montanhas e, ao fundo, uma montanha gigante cheia de neve. À volta, dezenas de cascatas a cair do cimo das montanhas. Isto é Lauterbrunnen. Um sítio minúsculo e com tanta beleza compreendida nele que chega a parecer mentira.

Duas curiosidades

Um símbolo emblemático é a cascata Staubbach que desce por uma das faces proeminentes de quase 300 m, sendo uma das cascatas mais altas da Europa. Johann Wolfgang von Goethe, que visitou o vale em 1779, deixou-se inspirar pelas estrondosas massas de água para o seu famoso poema “Gesang der Geister über den Wassern” (Canção dos espíritos sobre as águas).

(fonte)

Também li em alguns artigos que este vale foi a inspiração de J.R.R Tolkien para criar algumas paisagens da Terra Média na série de livros “O Senhor dos Anéis”. Não faço ideia se isto é ou não verdade, mas vou escolher acreditar que sim, até porque quero muito que seja verdade!

A cascata Staubbach

A tal cascata em que Goethe se inspirou para escrever um dos seus poemas mais famosos situa-se na extremidade da aldeia de Lauterbrunnen, onde a água cai de uma altura de quase 300 metros. É possível subir por dentro da rocha até quase ao topo da cascata, de onde se vê a força da água a cair sobre a aldeia e onde se pode também observar o vale de Lauterbrunnen.
Nós subimos até lá, mas digo-vos: não foi das minhas coisas favoritas de fazer. Subir escadas dentro de uma espécie de túnel de onde chovem pingas de água não é propriamente divertido e nem posso dizer que a vista lá de cima vale a pena, porque – na verdade – não se vê grande coisa para além de água a cair.

Mas, como tudo na vida, é uma experiência e sabem que mais? Como já vem sendo um hábito meu, apanhei água da cascata de Staubbach para trazer para casa como souvenir, tal como fiz na Escócia e na Irlanda.

Mas não foi o único sítio na Suíça onde apanhei água para trazer. No próximo post já vos mostro onde apanhei o resto da água-souvenir.

Eu disse-vos: a água é o meu elemento. 🙂

Coisas fantásticas para ver em Lauterbrunnen ou à volta:

  • Isenfluh – é uma aldeia de montanha suíça típica e particularmente especial. O acesso é realizado através de uma das poucas estradas em túnel em espiral da Suíça e, no centro da aldeia, é possível ter uma vista para os cumes de Eiger, Mönch e Jungfrau.
  • Cascatas de Trümmelbach junto a Lauterbrunnen – uma das ravinas de glaciares mais selvagens da Europa com as dez cascatas de Trümmelbach escondidas entre as rochas.
  • Cascatas de Staubbach – na extremidade da aldeia de Lauterbrunnen e da qual já falei (e mostrei) neste post.

  • Schilthorn – seguindo as pisadas de James Bond, os visitantes podem desfrutar da vista para 40 cumes e 20 glaciares a partir do restaurante rotativo Piz Gloria a 2970 m.
  • Percurso temático Património Mundial da UNESCO na parte posterior do vale Lauterbrunnen – primeiro percurso temático do Património Mundial Jungfrau-Aletsch-Bietschhorn, relativamente a quedas de água, agricultura alpina, estações eléctricas e hotéis na montanha.

  • Kleine Scheidegg – vista fantástica para a face norte do Eiger e para os cumes das montanhas Jungfrau e Mönch de quatro mil metros de altura e ponto de partida da linha ferroviária até Jungfraujoch.
  • Jungfraujoch* (3454 m) – desde 1912 que a linha ferroviária de Jungfrau passa ao longo de um túnel de sete quilómetros de comprimento pelo maciço de Eiger até à estação ferroviária mais alta da Europa no “Top of Europe”, o derradeiro destino de excursão no Oberland Bernês.

* é precisamente para onde vamos no próximo post da minha viagem à Suíça. Foi precisamente em Jungfrau que vi neve de perto e lhe toquei pela primeira vez. Foi um momento incrível e Jungfrau é simplesmente incrível. Não posso esperar por vos mostrar esta parte da viagem no próximo post desta série. 😀

Até lá, fiquem com os relatos anteriores da viagem à Suíça:

Interlaken e o miradouro Harder Kulm a mais de 1300m de altitude
Thun e Oberhofen: Lagos e Castelos

 

 

 

4 Comments

  1. Olívia says:

    Adoroooooo locais assim. Vai já para a lista 🙂
    Um beijinho grande*
    Vinte e Muitos

    1. Catarina Alves de Sousa says:

      Aii espero que sim, vale mesmo a pela Olívia! <3

  2. Suíça: Junfraujoch "Top of Europe" (e a minha primeira vez na neve) says:

    […] é de tal forma épico, que passámos por caminhos de ferro que nos fizeram até olhar para Lauterbrunnen de cima, de onde vimos cascatas e arco-íris com raios de sol a furar as poucas nuvens que […]

Leave a comment

Your email address will not be published.

CommentLuv badge