18/09/2020
Passion Projects: a arte de voltar a criar por amor

Passion Projects: a arte de voltar a criar por amor

Têm sido uns dias estranhos. Maravilhosos, mas estranhos. Não tenho dois dias iguais (não que existam, mas vocês entendem ao que me refiro), não tenho rotinas excepto as de trabalho e tenho feito muita coisa e a maioria nova. Não querendo repetir-me demasiado, a minha vida está completamente diferente. No meio de tantas mudanças excitantes e positivas, descobri uma coisa sobre o meu eu criador: preciso de uma certa estabilidade para criar; preciso de parar. Literalmente. A roda-viva da vida é boa para produzir ideias, mas para as passar para o papel preciso de calmaria. 

Por enquanto, as danças dos dias vão continuar enquanto o Verão permanecer. Os dias estão longos, o sol mantém-se alto até mais tarde, há uma brisa deliciosa no ar, sítios incríveis para visitar e… planos para fazer. De acordo com a própria mudança de estação segundo o calendário celta, o Outono será uma altura para abrandar, repensar, mudar novamente, mas para uma vida diferente, mas julgo que mais calma.

Por falar nisso, tenho pensado muito no porquê de vários projectos e negócios meus não terem vingado ou avançando e ontem cheguei a uma conclusão. Falta de paixão.

Muitas vezes desculpamos as coisas com a clássica “falta de tempo”*, mas no meu caso não posso dizer que o tempo ou a falta dele tenha sido o culpado.

Já aqui escrevi sobre hobbies e se devemos mesmo transformá-los em side jobs que nos dão algum rendimento extra e continuo a achar que depende muito da situação e que cada caso é um caso.

No meu, é frequente perder a paixão por algo que tenho subitamente que tratar como um trabalho quando nunca o foi. Creio que algures no meu percurso perdi o foco àquilo que me faz feliz e que faço genuinamente por gosto e passei apenas a privilegiar projectos que me dariam possivelmente algum rendimento.

Isto não é necessariamente mau, atenção! Porém, aconteceu que perdi o gosto por muita coisa. Não quero que isso volte a acontecer e talvez seja essa a principal causa do meu desencanto por coisas das quais gostava tanto.

Por isso mesmo, decidi desafiar-me e, em vez de criar algo com um fim em vista, criei algo só pelo puro prazer. Só porque gosto. Quando foi a última vez que fiz algo assim? Quando foi a última vez que tu fizeste algo só por gosto?

Sinto que estamos no mesmo barco, eu e tanta gente que conheço. Será geracional?

De volta à questão inicial e ao tema “passion projects”, o meu sai já este sábado. Para já vai ser apenas um perfil na Instagram meio didático, meio inspiracional. Nem sei porque disse “para já” porque, na verdade, não tenho planos para mais tarde. Vou fazê-lo para me divertir, para me desafiar a aprender mais, a ler e escrever mais e a reaprender a não levar tudo tão a sério.

Parece que quando era criança fazia isto sem sequer questionar, sem esperar nada em troca, sem pensar em dinheiro ou qualquer tipo de reconhecimento e isso faz-me achar que criar algo só por amor é estar um bocadinho mais perto da minha criança anterior.

* se, pelo contrário, sofrem mesmo de falta de tempo, não deixem de ler este post ainda tão actual: “Da gestão do tempo e da definição de prioridades“.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *