mejores doctores en América Dapoxetina elección de plan de seguro médico
5 In my photos/ personal/ photography/ Sem categoria

Treehouses and childhood memories

Acho que não tenho nenhuma memória de algum Natal que não tenha passado no Penedo. O Penedo, ou mais vulgarmente conhecido como Casa ou Quinta do Penedo, é a casa de campo da minha família há já algumas gerações. É uma casa grande e antiga, cheia de quartos, armários, portas para outras divisões que à primeira vista nunca diriam que existem, mas principalmente cheia de histórias e memórias.

 photo eira_zps9ea004ce.png

 photo details3_zpsdea62b8d.png

 photo casapenedo_zps6c22c697.png

 photo casa_interior_zps9b4a3b79.png

 photo relogio_zpsd258bf93.png

A casa do Penedo não é só uma casa de fim de semana ou de feriados para onde vinha com os meus pais quando era pequena. Não. Com o passar dos anos, tornou-se também no meu refúgio das férias enquanto adolescente, onde fazia festas e passava algumas semanas com os meus amigos.

Fizemos fogueiras num dos campos em volta da casa, contamos histórias, tocamos guitarra e cantamos as nossas músicas de sempre entre momentos de amizade que acreditávamos serem para sempre.

 photo pool_zpsc63df4cb.png

 photo pool2_zps1a829eef.png

Foi nesta casa que dormi pela primeira vez longe dos meus pais quando já tinha idade para decidir (já devia ter uns 5 anos). Lembro-me perfeitamente de estar no mesmo sofá onde estou sentada agora a escrever isto e estar a lutar contra as lágrimas para que ninguém percebesse que afinal ainda não era uma menina crescida. Mas ninguém viu e, no dia seguinte, chegaram os meus pais com uma prendinha para mim, só por me ter portado bem.

 photo windows_zps0520f4c5.png

 photo gardendetails_zps5d57a5bf.png

E também foi nesta casa que descobri as minhas primeiras grandes paixões literárias. Onde fazia experiências “científicas” e tentativas de fazer perfumes com flores e ervas que encontrava. Onde aprendi a andar de bicicleta e onde fingia, no meio das florestas circundantes, que fazia parte dos cenários mais mágicos dos meus livros favoritos.

Por vezes, no dia de Natal – quando era mais nova – dizia que ia à floresta para ir colher lenha miúda para a lareira. A família ficava grata e, francamente, um pouco surpreendida pela menina da cidade decidir por livre e espontânea vontade ir apanhar lenha, mas a minha verdadeira intenção era percorrer o caminho até à floresta na companhia do meu discman (ah pois) e um CD da banda sonora do Senhor dos Anéis que me transportava para aquele universo de criaturas fantásticas e missões impossíveis.

 photo airaes6_zps834cf240.png

 photo airaes_zps4663110c.png

 photo airaes7_zps5dacc768.png

Só aqui é que sentia esta magia. Às vezes acho que é por causa deste sítio que não cresci exactamente igual a todos os miúdos da minha idade. E isso foi bom.

 photo trees_zpse58639cf.png

 photo treehouse2_zps896da159.png

 photo treeh_zpsf4c8f8da.png

 photo treehouse3_zps711eace1.png

Também foi bom hoje ver o meu primo de 5 anos mostrar-me o interior da árvore como a sua “casa da árvore” onde brinca com um amiguinho dele e onde escondem “tesouros” e preparam armadilhas para o irmão mais velho do amigo. Mal sabe ele que não foi o primeiro a apelidar a árvore de “casa” e a olhar para ela como se tivesse imensos segredos escondidos. Provavelmente nem fui eu, nem muito menos o meu irmão, mas lembro-me de trepar pelos seus galhos infinitos e sentir que era uma espécie de Avó Willow para mim.

4972_4f46ce5a0a3024.67881546-big

Eu e uma amiga na mesma árvore circa 1992/1993

Escondi-me no meu pequeno mundo dentro daquela árvore até (provavelmente) aos 18 anos, mas nessa altura já me fazia acompanhar pelo Songs for the Deaf dos Queens of the Stone Age.

 photo kittyandtree2_zps97cbd23b.png

 photo kitty_zps5079e037.png

Se calhar é por isso que, mesmo hoje em dia, me mantenho fiel à criança que fui, com a excepção de que agora sei apreciar muito mais pormenores como só um adulto consegue fazer. Um dia, algures durante a minha infância, jurei a mim mesma nunca crescer; não de verdade. Disse a mim mesma que, por dentro, nunca me deixaria crescer completamente. Hoje, aqui no Penedo após um breve momento de introspecção, constatei que não iria decepcionar o meu eu criança se alguma vez os nossos caminhos se cruzassem como num filme de ficção científica.

Já começo a divagar, mas ainda assim penso que consegui expressar um bocadinho daquilo que o Penedo representa para mim. 🙂

Se pesquisarem por Casa do Penedo no Google rapidamente vão descobrir que, na parte de baixo da casa, temos um Hostel – o Stone Farm Hostel – onde serão muito bem vindos se algum dia quiserem vir para os lados de Airães, que faz parte da Rota do Românico do Tâmega e Vale do Sousa.

Pronto, deixo-vos com este último apontamento cultural. 😉

 photo casadopenedo_zps33c775b3.png

 photo road2_zpsa64d6edf.png

You Might Also Like

5 Comments

  • Reply
    Ana Couceiro
    26/12/2014 at 4:41 PM

    Gostei tanto deste post Catarina! Não só pela casa que é linda, mas sobretudo por te conhecer um pouco mais 🙂

    • Reply
      joan of july
      01/01/2015 at 7:46 PM

      Tão querida, Ana, muito obrigada! :D*

  • Reply
    Analog Girl
    26/12/2014 at 6:25 PM

    Que bom teres essas memórias todas acumuladas num só lugar. Eu tenho algumas da minha “terrinha”, já lá para Sul, onde me deixava levar pela imaginação e onde quase volto a ser criança. Nos últimos tempos não me consigo desligar dos problemas de adultos, mas quero voltar a esse lugar onde fui feliz, à minha criança interior, o mais depressa possível… 🙂

    • Reply
      joan of july
      02/01/2015 at 11:08 AM

      Percebo perfeitamente o que dizes com os “problemas de adultos” e também já senti o mesmo várias vezes e mesmo este ano não os esqueci, mas consegui deixá-los brevemente de lado. Espero que seja um talento para ficar. 😉

      Espero que consigas reencontrar a tua criança interior da próxima vez que lá voltares. :D*

  • Reply
    Found: a vegetarian book from 1916
    24/08/2015 at 11:16 PM

    […] séculos. É o que se passa com a casa da quinta da minha família, o Penedo, da qual já vos falei aqui. Na semana passada, a minha tia descobriu por lá esquecido, atrás de um qualquer móvel que já […]

  • Leave a Reply

    CommentLuv badge