As empresas-fraude em Portugal e como detectá-las

Posted on

Já tinha escrito sobre este assunto num outro blog, mas andava a incomodar-me saber que não tinha mencionado este tópico neste blog, já que é o meu pessoal. Este é um assunto delicado e sobre o qual posso falar por experiência própria.

Estávamos no dia 30 de Maio de 2013 e eram 15:25h. Faltavam cinco minutos para uma entrevista que me tinham marcaram para aquele dia. Devia já lá estar à porta ou, pelo menos, mesmo a dobrar a esquina. Mas não. Decidi que não ia. E pensam que os avisei de que não me seria possível comparecer? Nope. E porquê? Porque eles não queriam saber, nem iam dar pela falta de apenas uma das dezenas de pessoas que estariam àquela hora sentadas num “escritório provisório” em cadeiras numa sala completamente vazia onde nada lhes diz que aquilo é deveras um escritório.

Enquanto isso vão preenchendo uma ficha com os seus dados pessoais enquanto esperam pela sua vez de serem entrevistadas. E para quê, se já enviaram o CV antes da entrevistas e todas essas informações estão lá? Ora, porque eles nem sequer abriram os CVs, porque nós fomos apenas peixes que morderam um isco bem lançado e aparentemente apetitoso, na forma de uma oferta de emprego na nossa área (Marketing e Comunicação neste caso). 

Quem anda à procura de emprego- como eu andava na altura-, sabe que só tem a ganhar ao responder ao maior número de ofertas de emprego possível por dia. Até aqui, algo óbvio.
O que não nos dizem quando nos lançamos nesta difícil busca por um (bom) emprego é que na internet abundam pragas de proporções bíblicas de empresas-fraude.

Eu não fui à entrevista naquele dia, mas sei como tudo se processa. Caso tivesse ido, teria sido uma repetição de algo que também já se passou comigo numa outra entrevista no final de 2012. Depois dessa experiência, jurei que nunca mais me apanhariam noutra, algo que, até agora, consegui cumprir. A chave é a pesquisa incessante pela empresa em questão. E às vezes não serve só pesquisar no Google.

Deixem-me mostrar-vos.

Exhibit A:

Ao pesquisar no Google pelo nome da empresa em questão, só me apareceram resultados de páginas publicadas pela própria empresa. Isto não me ajuda minimamente. Aquilo de que realmente preciso é de ler opiniões, artigos em revistas, jornais, etc., sobre esta empresa de forma a poder concluir se esta é ou não legítima.

Exhibit B:

Passamos à pesquisa nos blogues. Nada melhor para encontrar opiniões. Trust me.

Exhibit C:

Segundo resultado: FRAUDE! O que li nesse blogue foi exatamente aquilo que temia (e sinceramente já esperava) acerca da “empresa” JR Marketing Solutions. Depois disso encontrei ainda vários comentários a expor esta fraude e outras. Incrível.

Conclusão: A JR Marketing Solutions é só mais uma das centenas de empresas-fraude que proliferam por este país fora; uma cambada de mentecaptos que infelizmente se aproveitam da fragilidade do desemprego em Portugal e da ingenuidade das pessoas que todos os dias procuram emprego por necessidade, sem qualquer intenção de prejudicar a vida dos outros.

E ainda vos digo mais: se decidirem ir a uma coisa destas mesmo depois de tudo isto, posso já dar-vos os spoilers daquilo que se vai passar:

1. Antes da entrevista vão ver de tudo: pessoas vestidas para uma entrevista normal (aparência cuidada), pessoas com uma aparência muito maltrapilha, pessoas jovens, pessoas mais velhas, pessoas bastante velhas,… Tradução: a empresa não tem um perfil de candidato para a posição para a qual se candidataram. Porque será? Porque não interessa, para o tipo de trabalho que vão fazer… Ah, e claro, não viram os vossos CVs, muito menos a foto.

2. O escritório é, como já mencionei mais acima, um espaço ridiculamente amplo e desprovido de tudo aquilo que um escritório tem. Está vazio, pronto. Normalmente há pelo menos uma pessoa a andar de um lado para o outro a fingir que trabalha.

3. Quando entrarem para o cubículo onde vos vão entrevistar, não pensem em dizer maravilhas do vosso percurso académico ou experiência. Não. Vale. A. Pena. NINGUÉM vos vai perguntar nada. O entrevistador vai falar sozinho o tempo todo com um discurso que nunca foge muito disto:

“Nós trabalhamos por objetivos; costumamos trabalhar com a SONAE; precisámos de pessoas dinámicas, que tenham um grande à-vontade; para nos conhecermos melhor, amanhã vem passar um dia connosco para nos conhecer melhor e nos conhercemo-la melhor.

Experimentem perguntar;  “Portanto, somos pagos à comissão, certo?”… 
Resposta do que obterão: Nós trabalhamos por objectivos; mas quando vier amanhã, perceberá melhor as coisas; por isso, hoje, por volta das 15h30, 16h00, telefone-nos para saber se foi seleccionada…

No meu caso ligaram-me a mim, mas isso não interessa muito.

4. Quando receberem o telefonema, claro que terão sido seleccionados, mas não se deixem entusiasmar por isso. Dir-vos-ão para comparecer no escritório no dia seguinte com calçado confortável. Hmmm…. Vamos já ver para quê.

Testemunho que encontrei num blogue:

«Ligaram-me essa tarde, uma senhora muito contente a felicitar-me por ter ficado, teria entrevista amanhã. Ora…. já tinha uma lista de perguntas preparadas, disparei tudo e ela só respondia “Tenho mais pessoas para contactar, não posso responder ás perguntas de todos não é verdade??” Só me falou na roupa formal, calçado confortável, libertar a minha agenda até ás 20h no dia seguinte, trabalho seria em lisboa e voltei a perguntar aquilo dos stands de angariação de clientes. Também ficou adminada e disse “nada disso!”.
Começei por me sentir tola e enganada mas esse sentimento foi o que inicialmente me deixou alerta, por isso foi positivo.
A necessidade e vontade de trabalhar torna-nos mais vulneráveis. Não há que ter medo de ser enganado em próximas entrevistas. Podemos fazer o possível para nos informar e assim a consciência fica tranquila.
Boa sorte a quem está na mesma situação.»

Lembro-me perfeitamente de aqui há uns 3 ou 4 anos alguém ter tocado à campainha de casa do meu avô (viúvo, octogenário) e, não sei como, ter-lhe vendido um aspirador, uma aparelhagem, VÁRIOS volumes de uma enciclopédia de medicina (repare-se que ninguém que o meu avô conheça estava a tirar medicina ou é médico). Ou melhor, eu sei como lhe venderam tudo isso pela módica quantia de mais de 1000€: aproveitando-se de um senhor idoso, ingénuo (no tempo dele esta gente trapaceira ainda não fazia destas coisas) e muito generoso. E é isto que estas empresas como a JR Marketing Solutions querem que vocês façam. Que enganem as pessoas e as suguem até ao tutano.

Ainda acham que vale a pena? Nem pensem que ficam com a totalidade da comissão! Se não acreditam em mim, leiam os comentários no blog Precários Inflexíveis.

Eu aqui falei da JR Marketing Solutions, mas como esta há muitas outras. Se vocês conhecerem mais casos de fraude, deixem um comentário por favor, para assim ir atualizando a lista, tal como fiz com os comentários no post original. Para já, deixo-vos alguns nomes de empresas que andam à caça de desempregados para incluir nestes esquemas.
A lista negra das empresas-fraude:

  • JR Marketing (mais uma vez. Também os denunciei no Facebook como fraude).
  • VO Marketing (é a mesma empresa que a JR Marketing, com as mesmas instalações e tudo. Vão só mudando o nome).
  • FACEACTION
  • Critério Absoluto
  • Expressão Positiva
  • Status Synergye
  • Almada Mais
  • Sorriso Plan
  • Blackcable
  • GONDOPRIME
  • Gera Equilíbrio (= Sorriso Plan)
  • Mega Budget
  • BF Group
  • Dragão Porto
  • GIGANTAPLAUSO
  • OMNIEPOPEIA
  • Direct To J
  • Scenario Group DP
  • Trabucaqui

Se acham que estão perante uma situação como esta, quando vos ligarem para a 1ª entrevista, peçam uma breve descrição do posto de trabalho para o qual estão a ser chamados. Não tem mal nenhum e, caso não seja fraude, explicar-vos-ão o que vão fazer e ainda ficam com a impressão de que estão empenhados e com interesse no trabalho.

Já sabem, qualquer coisa que saibam deixem comentário aqui e/ou façam queixa num destes sites:

  1. Precários Inflexíveis
  2. Queixas.net 
  3. Blogue criado para denunciar a Dragao Porto
  4. Ganhem Vergonha

Aqui estão mais alguns recursos para que aprendam a distinguir inequivocamente se um anúncio de emprego é fidedigno (ou não):

A razão pela qual decidi repetir (de certa forma) este artigo no meu blog incide sobre o facto de querer continuar a ajudar pessoas que estão na mesma situação em que me encontrava no ano passado. Ao ter este artigo em mais um blog, aumentam os resultados nos motores de busca relativamente a estas “empresas”. Pelos comentários que ainda me têm chegado aqui– mesmo tenho passado quase um ano-, sinto que este testemunho tem ajudado algumas pessoas e só posso ficar feliz por isso.

Fico feliz por ajudar e por me aperceber de que hoje em dia, ter um blog é como ter uma arma poderosíssima. Neste caso, o meu blog é a arma que tenho e que uso contra pessoas que só querem tirar partido da ingenuidade de quem precisa urgentemente de trabalhar e quase já se contenta com “qualquer coisa”. Espero poder ajudar-vos através deste cantinho também.

Já alguma vez passaram por uma situação destas?