Pessoas com a PDM* só por terem um blog: e se a internet morrer amanhã?

Posted on

Tenho ouvido cada história sobre a suposta verdadeira personalidade de algumas bloggers bem conhecidas da blogosfera portuguesa que me fazem questionar o que é que muita gente tem dentro daquelas cabecinhas. A sério, às vezes questiono-me genuinamente sobre o que é que algumas pessoas pensam naquele momento, no final do dia, em que já têm a cabeça pousada na almoçada e a luz desligada. Comigo, segue-se sempre um pequeno momento de reflexão; sobre aquele dia ou sobre a vida. É como o fechar de um ciclo antes de começar um novo, neste caso, um novo dia.

Tenho uma teoria desde os meus 14 anos que se baseia no facto das pessoas ocas não terem estes momentos (nem nenhuns parecidos que se assemelhem a pensamentos introspectivos).

Outra coisa que me faz pensar (e mais do que aquilo que gostaria de admitir) são as pessoas que têm uma profissão que as obriga a estar na esfera pública (vulgo celebridades) e acham que são as maiores e que estão acima de toda a gente em termos de importância (ex: Kanye West). Escusado será dizer que discordo, certo? Sou uma pessoa muito lógica e muito pouco impressionável no que diz respeito a “celebridades”. Para mim, lá por terem um emprego que torna obrigatória a exposição pessoal, não se tornam mais atraentes, desejáveis ou sequer invejáveis. Em suma, não torna ninguém especial.

Mas se há músicos e actores a pensar que são os maiores por terem legiões de fãs e eu já acho ridículo, o que acham que penso de bloggers que se acham os reis e rainhas de sei lá o quê só por terem um blog de (suposto) sucesso?

Para já, vamos separá-los. Existem:

  • Os bloggers que têm milhares e milhares de seguidores – a maioria comprados -, mas que acha que mais ninguém sabe (sabe-se, amigos, vê-se a léguas) e acha-se o máximo na mesma;
  • Os bloggers que têm milhares e milhares de seguidores graças a inúmeros passatempos e que se acha o máximo também, mas depois vai-se a ver e os “seguidores” não se interessam por mais nenhum conteúdo desses bloggers para além dos passatempos;
  • Os bloggers que têm excelentes blogs e crescimento orgânico e que se acham o máximo por isso.

O tamanho da blogosfera portuguesa + o tamanho de Portugal vs. o tamanho do Mundo

Sobre estes últimos (os outros dispensam qualquer outro comentário porque nem contam para nada, a meu ver):

Amigos, o vosso trabalho pode realmente ser fantástico enquanto bloggers, mas não se esqueçam de uma coisa muito importante: a blogosfera portuguesa é minúscula (tal como Portugal), por isso não deixem o vosso ego crescer demasiado, tenham lá calma. Acho muito bem que se sintam bem acerca do vosso trabalho e que se orgulhem dele, mas não pensem que são alguém a uma escala mais alargada. Vocês não estão em nenhum patamar que justifique darem desprezo a pessoas e marcas, não olharem a meios para atingir fins (que fins, migos, mais umas tralhinhas grátis?) e por aí fora.

“Sou uma blogger famosa. Vou sobreviver ao apocalipse zombie?”

No meio de tanta coisa em que penso há ainda outra que faz sentido neste contexto:

E se a internet “morrer” subitamente? E se houver um apocalipse zombie?

Ok, se calhar não vai haver um apocalipse zombie, mas vocês entendem.

A questão é: os bloggers que se acham mais que os outros por terem blogs “de sucesso” (e isto de sucesso também tem muito que se lhe diga) continuariam a ser alguma coisa se a internet morresse? Alguém os conhecia? No meio do apocalipse zombie, ao dar de caras com um grupo armado (como acontece no Walking Dead) safar-se-iam e alegassem:

– “Olhe, mas eu sou a autora do blog As Flores do Meu Quintal**! Pode não me matar e alimentar-se do meu corpo defunto?”

Posso estar enganada, mas tenho quase, mas quase a certeza que não. Posso estar errada! Mas não estou.

Dois exercícios para restaurar a vossa humildade

Levantem o vosso célebre cuzinho de vez em quando e experimentem viver um bocadinho no “mundo real”, longe dos vossos círculos de amigos e amigas bloggers para ver se alguém se importa minimamente que o vosso blog tenha 10.000 seguidores no Facebook.
Se fazem parte do grupo de pessoas que se acha a última bolacha do pacote porque recebe coisas grátis e é convidada por eventos xpto porque o seu blog é absolutamente fantástico, entendam:

Fora da internet, vocês não são “ninguém”. Ninguém no sentido de serem especiais, mas são – claro – alguém no sentido de serem cidadãos do mundo e filhos de Deus se for essa a vossa fé.

Outro exercício giro que vos vai devolver a vossa humildade em poucos minutos:

Experimentem explicar à vossa avó, tia-avó, avô ou outros parentes mais idosos o que é que vocês fazem, o que é isso de ser blogger e porque é que vocês são tãaaaoooo importantes e mega celebridades.

De nada. 😉

*PDM= p*ta da mania.
** nome fictício, não faço ideia se um blog com esse nome existe.

23 Comments

  1. Joana Sousa says:

    Ahahah oh pá que post do caraças! (Adoro o teu “De nada ;)” LOL)

    Infelizmente este tipo de raciocínio aplica-se a um contexto bem mais alargado do que aos blogs. Não sei como funciona noutras culturas, mas cá em Portugal por norma há dois extremos: quem é realmente bom não esfrega isso na cara dos outros, mas quem é bonzinho ou nem isso e calha ter sorte e sair-se bem, acha-se o maior. Não acho que devamos ser demasiado humildes, atenção, o bom trabalho deve ser valorizado, mas caramba. Educação nunca fez mal a ninguém!

    Jiji

    * GIVEAWAY – Ganha um Colar + Pulseira + 3 anéis da Coolares *

    1. joan of july says:

      Ahahahah obrigada, Joana. 😛

      Mas sim, estou contigo e digo sempre isso: também não é preciso fugir para o extremo oposto e ser demasiado humilde (que também me irrita profundamente, diga-se). Se fazemos um bom trabalho, temos que o saber reconhecer e até defender se for preciso!

  2. Margarida Sampaio says:

    Ahahah isto está tão bom! Não me consegui conter e tive de soltar uma boa gargalhada ?

    1. joan of july says:

      Ahahahahha obrigada, Margarida 😀 😀 Fico contente que te tenha feito rir. 😛

  3. Catarina says:

    Aiiii caraças, que fartote de rir! Tanto que podia ser dito sobre este assunto e tu disseste tudo com a maior ‘chiqueza’ de sempre :p Tanta, mas tanta gente com a PDM nesta nossa blogosfera que não faz ideia do que é, realmente, ter um blog de sucesso (e nós sabemos que não é receber coisas de marcas e fazer meia dúzia de reviews…) *

    1. joan of july says:

      Uau, chiqueza! Adoro! 😀 😀
      Ehehheheh
      Exacto, Cat! As pessoas aqui acham que são bem sucedidas quando recebem coisas, lá fora, acham-se bem sucedidos quando ganham dinheiro e tornam as coisas num verdadeiro negócio. É essa a diferença. 😉

    2. Guida says:

      Tal e qual! E o melhor é que, na maior parte dos casos, nem meia dúzia de reviews fazem: resumem-se a postar umas fotos tiradas com os seus iPhones com a última aquisição feita numa qualquer loja de roupa e texto nem vê-lo!

  4. Diana says:

    Carago, são exatamente estas merdas que me fazem não ter vontade de fazer com que o Parmim cresça.

    Se queria que mais pessoas me lessem: sim. Mas eu não lhes vou dar presentes, nem quero receber presentes. E tudo parece cada vez mais girar em torno disso…

    Mas temos mesmo de continuar a fazer isto, se realmente nos faz feliz. Eu falo por mim, há dias que nem me importo com o número de visualizações. E até ter 30 visualizações numa mensagem nova me dá um arrepio, caramba. Porque grande ou pequeno, o que interessa é mesmo quando chegamos à cama, pousamos a cabeça na almofada e vemos que não somos aldrabões. Que escrevemos alguma coisa que nós mesmos gostaríamos de ler.

    E quando bate aquela inveja, penso sempre no que a minha mãe me dizia “não queiras ser A melhor, esforça-te por ser DAS melhores!”. A competitividade só é saudável até um certo ponto. <3

    Beijinho enooooorme*

    1. joan of july says:

      Oh, nem ligues a essas coisas, Diana. Já passei por isso, quando via pessoas com blogs (correndo o risco de parecer PDM) inferiores ao meu em termos de qualidade de conteúdos com muito mais seguidores e parcerias. Mas agora, para ser sincera, quero lá saber. Sou muito feliz com o que tenho e tenho orgulho em olhar e ler o meu blog, sabendo que escrevo o que escrevo porque gosto e não porque me é encomendado. Quanto aos produtos, também me dá prazer fazer reviews de coisas de que realmente gosto (como os produtos do detox de que falei ontem) e de rejeitar outras porque não têm nada a ver comigo. Esta selecção é importante, mas há pessoas que não a fazem e publicam sobre tudo e mais alguma coisa, para delícia das marcas.

      Agora, aqui na blogosfera portuguesa confunde-se o ser melhor com o ter mais seguidores. É triste.
      Mas eu cá acho que tu tens imenso potencial para ser das melhores, Diana. Concentra-te no que fazes tão bem e que te faz feliz. :)**

  5. Jose Sousa says:

    Há uma coisa que eu discordo, que é na parte do :
    Fora da internet, vocês não são “ninguém”

    É que a maioria dessa malta, nem fora nem dentro..

    1. joan of july says:

      Ohhh snap!!! Ahahhaha tens toda a razão, José. 😛

  6. Maria says:

    Este texto está qualquer coisa de fenomenal. E isto da PDM aplica-se a tanta coisa nos dias de hoje. É que em vez de se deixar aquelas guerrinhas de miúdos, em que fazemos pirraça uns aos outros porque temos o boneco X que é melhor que o boneco Y do outro, para quando somos simplesmente miúdos e completamente desligados do Mundo à nossa volta (que no fundo faz parte dessa idade), não… as pessoas vão é transportando estes comportamentos infantis para a sua vida adulta, e depois acabam por fazer estas figuras tristes que não lembram a ninguém. E não podia deixar de concordar com o que disseste sobre as celebridades. O que também me fez lembrar de alguns actores dos “Morangos com Açúcar”, que se pavoneavam pelas ruas como se fossem alguém muito importante.

    R.: pois é como eu. Das vezes que fui a Londres choveu quase sempre (isto porque num Verão de vaga de calor cheguei ao ponto de apanhar um escaldão lá), e numa vez até que foi o dia inteiro. Eu não mudaria os meus passeios pelo Hyde Park a chover e de volta dos esquilos. Penso que a chuva ali fez deste momento algo mais memorável do que seria suposto.

    1. joan of july says:

      Essa analogia dos bonecos faz todo o sentido, Maria! Ahahaha ri-me. Ainda se vêem, de facto, muitos comportamentos infantis em idade adulta, mas infelizmente são os maus comportamentos. Antes se conservassem as boas coisas da infância, mas não. -_-

  7. Ana says:

    Upa, upa!!!!! O que vale é que sei que este foi “maturado”, faria se não tivesse sido! Onde posso assinar por baixo? Já agora, aquela cena do apocalipse zombie, se dermos para um qualquer asilo de bloggers-que-em-tempos-foram-famosos-por-fazerem-34869574-concurso-por-dia achas que nos safamos?
    Agora a sério, a coisa é mesmo assim, desesperante. O que vale é que temos todos cérebro (os que não foram atacados por zombies) e gradualmente vão mandando esses bloggers à fava. Há esperança!!

  8. Daniela says:

    Cada vez mais isso me irrita, e cada vez menos me identifico com blogues cheios de vidas perfeitas. Adoro ver fotografias e coisas bonitas, mas isso não implica que não sejam verdadeiras e que depois de um post mais elaborado não venha um com um “desabafo” e carregado de coisas da vida real e não mais um post patrocinado…

  9. Margarida Lozano (blog Leves & Ausentes) says:

    Enquanto lia este post só “abanava” a cabeça de tanto concordar. Assino já por baixo….
    Mas também vou falar-te da seguinte teoria: parte dessas bloggers centram-se tanto no blog porque já faz parte de uma camuflagem, uma máscara das quais elas se sentem bem, gostam de representar aquilo que não são na vida real. Resumindo e concluído: pessoas com p*ta da mania preferem usar camuflagem uma vez que para elas a blogosfera é a única “realidade” da qual podem realmente controlar. Espero que te faça sentido e tenha expressado bem. um beijinho

  10. Lígia Gomes says:

    Vénia 🙂

  11. Vanessa says:

    “Tá demais o bar da praia, maninho!” xD
    Assino por baixo! Tu dizes com cada coisa que acho que quem lhe servir a carapuça, vai pensar duas vezes quando fizer o próximo post.

    Muito sinceramente, no que toca ao meu blog, estou bem como estou. Quem me segue gosta das tralhas que meto lá e, tal como tu, sou capaz de reler o meu blog e continuar a adorá-lo, pois tudo o que falo é verdadeiro, tudo o que partilho é sobre coisas que gosto e sobre a vida real. Há uns tempos (vá, não há muito tempo) falei sobre as vidas perfeitas da internet e o que elas realmente são… vai de encontro ao que falaste, se bem que tu foste curta e grossa xD
    Pessoalmente, odeio blogs com passatempos, odeio partilhas por partilhas, odeio ver blogs fraquinhos em todas as vertentes… cheios de seguidores que não comentam e nem gostam de nada (ex.: 5000 seguidores e 2 gostos no face) xD acho que sou uma blogger picuinhas, gosto de gente a sério, com dois pés no chão e uma boa massa cinzenta.

    Depois disto tudo: o teu post foi de génio… e dei uma boa gargalhada xD

  12. Mafalda Fernandes says:

    Spot ON!
    Infelizmente o que há mais por aí é bloggers com PDM, com a NutsforPaper já tenho conhecido algumas que só por terem um blog (quase) que exigem um produto x para review ou para giveaway… (e na cabeça delas têm que ser para ontem, não interessa se tenho trabalho ou outras coisas mais importantes para fazer como trabalho para clientes).
    Desculpa o desabafo Catarina, mas foi uma das coisas que me lembrei no seguimento do teu texto.

  13. Márcio says:

    Só um complemento é que há muitos, mesmo não tendo sucesso em qualquer área, acham-se os maiores é tudo uma questão de ego e arrogância ao extremo, enfim …
    Bom texto, merece 5 estrelas.

  14. Rita Mendes says:

    Tenho o blog há quase 3 anos e nem 500 seguidores tenho. Gosto muito de ter o meu blog e fazer os meus posts e os meus vídeozinhos.
    Às vezes fico frustrada por não ter mais seguidores, muitas vezes fico chateada por não ter parcerias daqui e dali e não ir a eventos e não receber produtos em casa. Mas sabes que mais? Assim não tenho compromissos com ninguém e se não conseguir publicar nada durante 1 mês porque ando a trabalhar que nem uma mula ninguém me vai chatear com cobranças de posts.

    Tenho seguidoras fantásticas algumas que comentam quase tudo o que publico e isso já me enche o coração!

    Excelente texto, adorei <3

    1. joan of july says:

      É isso mesmo, Rita, tens toda a razão! Com menos seguidores/leitores, também se tem menos obrigações e responsabilidades. E uma coisa de que muita gente se esquece é que, ao trabalhar com marcas, não se tem apenas produtos grátis. Nada é grátis na vida, é preciso dar algo em retorno, neste caso, trabalho. As parcerias têm que ser win-win, senão não vão funcionar.

      Fico muito feliz por teres gostado do texto! Beijinho*

Leave a comment

Your email address will not be published.

CommentLuv badge