Sem categoria

Palavra do dia: Destralhar

Como ontem vim para o Porto para passar o Natal e uma semaninha inteira, hoje quis aproveitar para estar por casa. Mas se tinha planos para descansar, rapidamente mudei de ideias. Às vezes sinto uma necessidade fortíssima de mudar coisas, ou melhor, de esvaziar coisas.
Tenho a certeza de que não estou sozinha nesta demanda e que há por aí muita gente a sentir o mesmo, apesar de nem todos conseguirem identificar a necessidade de deitar coisas fora como resposta ao sentimento de desconforto e falta de harmonia.
Digo muitas vezes a seguinte frase (e até me dei ao trabalho de fazer um meme!)

 Cada vez penso mais em ter menos. Sim, isso mesmo. Odeio tralha, coisas inúteis que só ocupam espaço em casa e já não têm qualquer utilidade. Antes de vir para o Porto aproveitei para deitar imensa coisa fora- revistas, papeis, frasquinhos de vidro das minhas essências dos sabonetes e outros cosméticos (que faço para a NatusPurus, remember?) É incrível a quantidade de coisas inúteis que acumulados em casa sem sequer darmos por isso…
E hoje fiz o mesmo aqui no meu quarto, no Porto. É um quarto pequenino, por isso nota-se logo quando está desarrumado. Bem, a mim parece-me quase sempre desarrumado… enfim… Mas hoje enchi SACOS de papeis, manuais antigos, caixas de telemóveis e tantas outras coisas que lá tinha.
Sim, custa-me imenso, especialmente quando deito fora testes do básico/secundário, apontamentos da faculdade, folhas com textos de cadeiras de nomes engraçados como Estudos Culturais, Música e Literatura e Comunicação Intercultural, por exemplo. Mas a verdade é que… nunca mais iria voltar a pegar neles! E se há memórias, não preciso de papeis para o provar.

Sinto-me vários kg mais leve! E o meu quarto parece muito mais arrumadinho e agradável. Não consigo trabalhar, pensar, dormir e existir confortavalmente a 100% quando a minha casa/espaço estão em desordem. É uma coisa minha se calhar, mas não consigo mesmo e preciso de ter tudo em ordem.

Ultimamente tenho-me inspirado no blog da Rita, que é minimalista e, com ela, descobri que o minimalismo não é só uma filosofia de arrumação e da posse de poucos bens materiais, mas é também um estilo de vida.

Tenho neste momento para ler no meu tablet:
e
Estão curiosos? Estes dois eBooks foram escritos também pela Rita, autora do blog The Busy Woman and the Stripy Cat. Se quiserem lê-los também basta subscreverem à newsletter do blog da Rita para os receberem gratuitamente no vosso e-mail. 🙂
Talvez mais tarde vos mostre as preciosidades que encontrei nas minhas arrumações. Há cada coisa mais hilariante… Ai, ai… o meu eu passado tinha com cada uma…

3 Comments

  • Rayanne Fernandes

    Eu preciso destralhar muitas coisas, nunca vi uma pessoas para ter mais tralha do que eu, acho que por medo de um dia precisar não jogo nunca fora! Adorei kkk beijos

    santta-vaidade.blogspot.com

  • Ju Figueiredo Silva

    Tal como tu detesto ter coisas inúteis e imensa tralha e não gosto nada de casas cheias, mas por outro lado sou super consumista e quando falo em roupas, sapatos, malas, vernizes e outros que tais sei que tenho MONTES de coisas, um abuso, mas pronto.. eu uso e portanto gosto de ter 🙂 *

  • Catarina

    Rayanne: Como eu entendo! Demoro imensas horas sempre que me dedico a destralhar alguma divisão, porque pondero sempre muitas vezes antes de deitar qualquer coisa fora. Nunca sei se vou sentir falta ou não… Até agora tenho acertado. 🙂

    Ju: Eu também sou assim! Adoro comprar roupa, sapatos, maquilhagem e acessórios, mas depois vejo-me à rasca para enfiar tudo em casa e ainda viver em harmonia. Estou a pensar em vender algumas coisas também para criar mais espaço, mas agora… só em 2014! ;D

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *